• Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month
Page
  1. 1
    1
  2. 2
    2
  3. 3
    3
  4. 4
    4
  5. 5
    5
  6. 6
    6
  7. 7
    7
  8. 8
    8
  9. 9
    9
  10. 10
    10
  11. 11
    11
  12. 12
    12
  13. 13
    13
  14. 14
    14
  15. 15
    15
  16. 16
    16
  17. 17
    17
  18. 18
    18
  19. 19
    19
  20. 20
    20
  21. 21
    21
  22. 22
    22
  23. 23
    23
  24. 24
    24
  25. 25
    25
  26. 26
    26
  27. 27
    27
  28. 28
    28
  29. 29
    29
  30. 30
    30
  31. 31
    31
  32. 32
    32

A Importncia do Mercado de Aes Para o Desenvolvimento Econmico Sustentvel Brasileiro

Extracts from this document...

Introduction

VI CONCURSO DE MONOGRAFIAS DA CVM A IMPORT�NCIA DO MERCADO DE A��ES PARA O DESENVOLVIMENTO ECON�MICO SUSTENT�VEL BRASILEIRO Pseud�nimo: ?UK? A IMPORT�NCIA DO MERCADO DE A��ES PARA O DESENVOLVIMENTO ECON�MICO SUSTENT�VEL BRASILEIRO 1. Introdu��o 2. Por um novo ciclo de desenvolvimento 3. Mercado de Capitais e Desenvolvimento Econ�mico 4. Vantagens para as empresas decorrentes da abertura de capital 5. A import�ncia de novos investidores 6. Considera�es finais 7. Refer�ncias Bibliogr�ficas 8. Anexos. 1. INTRODU��O Somente com a realiza��o de investimentos, com o est�mulo a expans�o e a cria��o de empresas � que haver� aumento do emprego e da renda, esta � a �nica forma que existe para combater a pobreza, gerar oportunidades e fazer a economia crescer. Antonio Carlos Lage Em nosso Pa�s grande � a demanda por investimentos visando o desenvolvimento econ�mico, pois h� a necessidade de que recursos sejam dirigidos para o aumento da produ��o e da produtividade, transformando-se em mais emprego, renda, arrecada��o e bem estar para a popula��o. Tendo-se em vista as circunst�ncias de esgotamento das tradicionais fontes de financiamentos de longo prazo na economia brasileira, o desenvolvimento econ�mico depende da cria��o de condi�es favor�veis de financiamento e investimento privado. Devendo o mercado de capitais ocupar um importante papel na mobiliza��o de recursos em favor da produ��o. O tema explorado neste trabalho possui grande relev�ncia, uma vez que o mercado de capitais deve desempenhar uma importante fun��o na promo��o do desenvolvimento sustent�vel, juntamente com a promo��o da integra��o competitiva � economia mundial e com equil�brio das contas externas, e dessa forma proporcionar um aumento geral da produtividade, da efici�ncia e do bem estar da sociedade. Tamb�m ser�o abordados os benef�cios decorrentes do acesso ao mercado para os dois agentes ligados pelo mercado de capitais: as empresas, que ganham uma s�rie de vantagens e diferenciais competitivos com a abertura de capital; e os investidores, que podem encontrar no mercado uma forma segura e atrativa de investir. ...read more.

Middle

Pois se empresas precisam de base de capital (novos acionistas) para crescer, o investidor exige governan�a corporativa para colocar dinheiro na empresa.56 Conforme mat�ria publicada na Revista Capital Aberto: No passado,o sucesso consistia em conseguir vender determinado lote de a�es ou t�tulos pelo pre�o que fosse justo aos olhos da companhia emissora. Para isso, era preciso contar com as condi�es favor�veis do mercado e boas proje�es de lucros futuros para a empresa. Hoje, esses dois fatores n�o s�o os �nicos a dar aos coordenadores da emiss�o o reconhecimento da miss�o cumprida. Mesmo em um situa��o favor�vel como a atual, uma oferta p�blica de sucesso precisa tamb�m promover a pulveriza��o, aumentar a liquidez - o que sempre implica a participa��o de pessoas f�sicas - e contemplar a ades�o a n�veis diferenciados de governan�a corporativa".57 No intuito de facilitar o acesso e divulgar o mercado aos pequenos investidores, a Comiss�o de Valores Mobili�rios e as bolsas de valores t�m criado e aperfei�oado os instrumentos de investimento coletivo, se destacam: a) Fundos de investimento Os fundos de investimento em a�es � um mecanismo organizado com o fim de captar e investir recursos no mercado. Atualmente, � a maior for�a aglutinadora de capitais, uma vez que consegue recolher somas economizadas de v�rias camadas da popula��o. � um meio utilizado por investidores institucionais e individuais para investimento no mercado. No entanto, � o investidor individual que obt�m maiores vantagens, pois estes fundos facilitam o acesso ao mercado, ao selecionar a�es de companhias com maior probabilidade de gera��o de lucros. Aos investidores, cabe comprar cotas desse fundo e estas poder�o se valorizar ou desvalorizar na medida em que as a�es das empresas em que o fundo investiu valorizem ou n�o. Dessa forma, delega-se a fun��o de decidir sobre as aplica�es � administradores de recursos profissionais, que administram o fundo selecionando e analisando continuamente as empresas. Como constava no Edital de Audi�ncia P�blica, que mais tarde se tornou a Instru��o N� 409, a CVM declarou que o objetivo da norma era ...read more.

Conclusion

Al�m disso, os recursos distribu�dos podem perfeitamente retornar � empresa por meio de futuros aumentos de capital, o que certamente ter� boa receptividade junto aos acionistas, se a companhia estiver com boas perspectivas e estiver sendo bem administrada;- os custos incrementais de um departamento de acionistas e de um Programa de Rela�es com Investidores s�o chegam a ser significativos, principalmente se a companhia for de grande porte (op. cit. , p. 42). 55Estudos desenvolvidos por LEE, LIN e LIU na Taiwan Stock Exchange verificou-se que os investidores individuais t�m o papel fundamental de dar liquidez ao mercado de capitais e que um mercado de capitais formado exclusivamente por investidores institucionais n�o tem a mesma efici�ncia que aquele no qual o investidor individual participa de maneira significativa. 56E � justamente desse tipo de investidores que tanto precisamos ter em nosso mercado. Pessoas que, por entenderem, acreditam na poupan�a regular e no investimento a longo prazo como forma de assegurar, no futuro, a sua aposentadoria, a educa��o dos filhos, o sonho de uma viagem ou, at� mesmo, da casa pr�pria. Se n�o tivermos a iniciativa e a capacidade de educar os brasileiros sobre como e por que investir, todas as medidas que est�o sendo tomadas com o objetivo de aprimorar e tornar o nosso mercado mais transparente e justo ser�o, certamente, muito ben�ficas, mas para apenas um pequeno grupo de investidores nacionais e alguns investidores estrangeiros (A cultura de investimento. Ronaldo A. da Frota Nogueira. Revista da CVM, p. 40). 57Edi��o de setembro de 2004, p. 35. 58Dentre os fundos destaca-se o PIBB - Pap�is do �ndice Brasil Bovespa, que tem contribu�do para o aumento da transpar�ncia e da atratividade do investimento em bolsa de valores para os investidores pessoas f�sicas, com bons resultados para a populariza��o do mercado de a�es no Brasil. 59Nesse sentido: A cultura de investimento. Ronaldo A. da Frota Nogueira. Revista da CVM, p. 40. ?? ?? ?? ?? 31 ...read more.

The above preview is unformatted text

This student written piece of work is one of many that can be found in our University Degree Portuguese section.

Found what you're looking for?

  • Start learning 29% faster today
  • 150,000+ documents available
  • Just £6.99 a month

Not the one? Search for your essay title...
  • Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month

See related essaysSee related essays

Related University Degree Portuguese essays

  1. A seguir apresentado um procedimento experimental para obteno da benzocana - molcula pertencente ...

    II: S�ntese de �cido p-acetamidobenz�ico (5) Procedimento Coloque o composto previamente preparado (2) em um b�quer de 1,0 L junto com aproximadamente 12,5 gramas de MgSO4 hidratado e 175 mL de H2O. Aque�a a mistura em banho-maria e adicione, em pequenas por�es, uma mistura de 10 g de KMnO4 em uma pequena quantidade de H2O (suficiente para formar uma pasta).

  2. The representation of the serto and popular religiosity in the movies Black God, White ...

    This movie creates an aesthetic based on the dry cut, nervous framing, overexposure and use of a hand-held camera. It is fragmented narrative which mirrors the cruelty of the sert�o. This is Cinema Novo aesthetics, whose purpose was to avoid turning misery into folklore (Bentes 2003: 124).

  1. O MERCADO DE CAPITAIS DO BRASIL NO PERODO DE 1994 A 2003: SUA IMPORTNCIA ...

    24 3.2 EVOLU��O RECENTE DOS INSTRUMENTOS DE INVESTIMENTOS COLETIVOS........................................................................................................................... 26 CONCLUS�O........................................................................................................................ 30 REFERENCIAS BIBLIOGR�FICAS................................................................................. 31 ANEXOS................................................................................................................................. 33 INTRODU��O O presente trabalho tem por objetivo demonstrar que o mercado de capitais tem um papel relevante no desenvolvimento econ�mico do Brasil. Parte-se da constata��o que um mercado de capitais desenvolvido � precondi��o para o crescimento sustent�vel de um pa�s.

  2. o papel das RP na camara de sintra

    ao concelho, (que n�o residem em Sintra, mas que trabalham neste concelho); * Turistas, grande p�blico visto que Sintra � Patrim�nio Mundial; * Jornalistas; * Pessoas que n�o s�o residentes, mas que possuem casa de F�rias, por exemplo. O trabalho efectuado pelas Rela�es P�blicas � fazer todo o plano de

  1. A Torri uma marca do grupo J.M.V., operando este grupo em duas reas ...

    aparecendo no mercado e �s quais a Torri�, como marca din�mica e atenta ao mercado, n�o as deixa fugir. O mercado de caf� em Portugal � caracterizado por um maior consumo fora de casa, isto �, o canal Horeca � respons�vel por 70% da sua factura��o.

  2. GESTO PRODUTO

    Nos �ltimos anos da d�cada de 80, a estrutura do com�rcio retalhista em Portugal mudou radicalmente. Acompanhando o crescimento econ�mico do pa�s, surgiram novos conceitos comerciais em converg�ncia coma oferta das economias mais desenvolvidas, mas muito orientados para a satisfa��o do cabaz de consumo alimentar.

  1. Romeu e Julieta

    No que diz respeito ao interior do livro, n�o tem ilustra�es, tamb�m pelo facto de serem pe�as de teatro; o tipo de letra � o Times New Roman o tamanho � 12, e a sua cor preta. Em geral tanto a n�vel do aspecto exterior e interior, o aspecto gr�fico

  2. Cambios estructurales en la empresa ...

    Las teor�as del manejo de cambio de Lewin, Kotter y Kr�ger son presentadas por el autor para ver las diferentes implicaciones para los l�deres. Lewin menciona que el l�der debe descongelar la estructura, crear una nueva y congelar el nuevo concepto (Wirth, 2004)

  • Over 160,000 pieces
    of student written work
  • Annotated by
    experienced teachers
  • Ideas and feedback to
    improve your own work