• Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month
Page
  1. 1
    1
  2. 2
    2
  3. 3
    3
  4. 4
    4
  5. 5
    5
  6. 6
    6
  7. 7
    7
  8. 8
    8
  9. 9
    9
  10. 10
    10
  11. 11
    11
  12. 12
    12
  13. 13
    13
  14. 14
    14
  15. 15
    15
  16. 16
    16
  17. 17
    17
  18. 18
    18
  19. 19
    19
  20. 20
    20
  21. 21
    21
  22. 22
    22
  23. 23
    23
  24. 24
    24
  25. 25
    25
  26. 26
    26
  27. 27
    27
  28. 28
    28
  29. 29
    29
  30. 30
    30

Segmentação de Mercado.

Extracts from this document...

Introduction

�ndice �NDICE 1 INTRODU��O 2 SEGMENTA��O DE MERCADO 4 I. RAZ�ES DE SEGMENTA��O 5 II. PROCESSO DE SEGMENTA��O 6 III. CRIT�RIOS DE SEGMENTA��O 7 IV. ESCOLHA DOS CRIT�RIOS DE SEGMENTA��O 9 V. REQUISITOS PARA QUE A SEGMENTA��O SEJA EFICAZ 10 VI. OS PRINCIPAIS M�TODOS DE DIVIS�O DO MERCADO 10 VII. DESCRI��O DAS CARACTER�STICAS DOS SEGMENTOS ESCOLHIDOS 11 AN�LISE ENTREVISTA 13 SEGMENTA��O SOCIODEMOGR�FICA 19 CONCLUS�O 28 BIBLIOGRAFIA 29 Introdu��o A Vodafone Telecel � um operador de telecomunica�es dedicado � satisfa��o das necessidades de comunica��o dos Clientes, procurando criar ofertas de servi�os com qualidade e valor reconhecidamente superiores. A Empresa define o seu posicionamento como um operador de telecomunica�es e informa��o, com um neg�cio base nas comunica�es m�veis que aposta na oferta de servi�os m�veis de comunica��o de dados. Com um neg�cio base nos servi�os de telecomunica�es m�veis, a Empresa tem como vis�o constituir um referencial de gest�o eficiente e profissional, prestando um servi�o p�blico de elevada qualidade. Sendo reconhecida a sua orienta��o para o Cliente, a sua inova��o, o seu profissionalismo e a �tica com que actua no mercado. A Vodafone Telecel mant�m a sua diferencia��o atrav�s de: uma rede de comunica�es celulares alargada e de elevada qualidade; um Servi�o de Apoio a Clientes de excel�ncia; uma cont�nua lideran�a e inova��o em Marketing; uma oferta diversificada e competitiva de servi�os �teis e inovadores; e um desenvolvimento e permanente adapta��o � evolu��o do mercado de m�ltiplos canais de distribui��o, profissionais e din�micos. A Vodafone Telecel tenciona manter-se como o operador mais inovador e com maior orienta��o para o Cliente em Portugal, disponibilizando a oferta mais competitiva e continuando a liderar a introdu��o de servi�os n�o voz. S�o compet�ncias criadas e desenvolvidas pela Empresa desde o in�cio da sua actividade que lhe permitem encarar com seguran�a os novos desafios que se lhe colocam e aproveitar as oportunidades oferecidas pela evolu��o tecnol�gica e, desta forma, solidificar a posi��o que ocupa no mercado das telecomunica�es m�veis. ...read more.

Middle

Num mercado das telecomunica�es tipicamente maduro, a solu��o passa inevitavelmente pela diferencia��o de marca, produtos, servi�os ou da sua comunica��o (Comunica��o emocional; diferencia��o no campo das emo�es, com valores da marca "new and cool" e "joy of life" que se reflectem numa comunica��o jovem, atractiva, alegre, emocional, para assim se poder viver mais, comunicando mais); para assim consolidar uma imagem da empresa forte, inovadora, assegurando uma posi��o mais competitiva e forte face aos seus concorrentes - notoriedade. � sem d�vida apostando nestas caracter�sticas que predominam no esp�ritos dos jovens, que s�o indiscutivelmente o seu target central (� o desejo que se comunica, que os jovens procuram, anseiam e sonham � o realce nas mitologias contempor�neas). Esta comunica��o publicit�ria que procura exprimir um posicionamento "new and cool" � justificada pelos dados relativos ao investimento publicit�rio da empresa: Segundo os dados disponibilizados pela MediaMonitor relativos aos investimentos publicit�rios de 2003, a Vodafone Telecel destinou 1.3% dos seus investimentos (909 milhares de euros) ao meio Cinema (reflecte a import�ncia atribu�da a um segmento mais jovem, mais ligado ao cinema) e 7.3% (5 milh�es de euros) para publicidade em Outdoor. Apesar de dar prefer�ncia aos investimentos em Televis�o (52.6 milh�es de euros), esta operadora destinou aos meios Imprensa e R�dio respectivamente 8% e 6.8%. Especificamente na altura do Natal, que � uma altura ideal para o aparecimento de novas campanhas publicit�rias a novos telem�veis e servi�os: Os investimentos da Vodafone destinaram-se maioritariamente � TVI e SIC, enquanto que ao n�vel das inser�es destaca-se o elevado valor na SIC Radical (canal tem�tico maioritariamente destinada aos jovens). Estrat�gia de Segmenta��o (divide-se em dois grande grupos): 1. Choosers (empresarial): * Grandes empresas * PME * SOHO 2. Users: * Teens * YAF (young active fun) Particulares * APU (adult personal users) * Mature basic users * Self chooser for work * Company Paid Empresariais * International Business travelers A publicidade institucional � sobretudo dirigida ao alvo central da comunica��o (YAF e APU; grupo et�rio dos 20-35 anos), se bem que a ...read more.

Conclusion

O caso particular da segmenta��o de mercado da Vodafone Telecel, surge com import�ncia refor�ada; isto porque o mercado das telecomunica�es � dos mercados mais competitivos e concorrenciais, onde uma empresa s� pode vingar se puder de algum modo destacar-se dos seus concorrentes mais pr�ximos; principalmente em Portugal, onde num mercado das telecomunica�es m�veis quase saturado, com tr�s operadores, o espa�o de manobra para cada operador � menor, e a margem de erro � muito t�nue . Num mercado onde , 96.4% dos jovens entre os 20 e os 24 anos possuem telem�vel , e mesmo que este seja o principal target de um operador de telecomunica�es m�veis, este sector est� por si saturado, e n�o pode ser o �nico objectivo da empresa, � primordial alarg�-lo a todos os segmentos (sejam eles faixas et�rias mais altas, ou o pr�prio sector empresarial); por isso, e indiscutivelmente, a Vodafone Telecel tem que ter uma pol�tica de segmenta��o de mercado, onde consiga conjugar as necessidades, aspira�es e tend�ncias de cada segmento aos seus pr�prios objectivos e campanhas publicit�rias. Da segmenta��o propriamente dita, conclui-se que � sobretudo uma segmenta��o sociodemogr�fica, baseada na idade, mas tamb�m num estilo de vida (mais ou menos associado � faixa et�ria); reflectido numa comunica��o publicit�ria que procura ser jovial, inovador, divertido; procurando transmitir emo�es e valores da marca "new and cool" e "joy of life" . Bibliografia * KOTLER, Philip, Marketing Management, Prentice Hall * LENDREVIE, Jacques, LINDON, Denis, D�ONISIO, Pedro, RODRIGUES, Vicente, Mercator - Teoria e Pr�tica de Marketing, Publica�es Don Quixote * MAJARO, Simon, International Marketing: a strategic approach to world markets, London, George Allen & Unwin, 1978. * Relat�rios e contas da Vodafone Telecel (anos 2001, 2002, 2003) * Revista Marketeer * www.marktest.com * www.marktest.pt * www.mediamonitor.pt * www.vodafone.pt * www.vodafone.com A SEGMENTA��O DE MERCADO NA VODAFONE TELECEL 1 Universidade T�cnica de Lisboa Instituto Superior de Ci�ncias Sociais e Pol�ticas ...read more.

The above preview is unformatted text

This student written piece of work is one of many that can be found in our University Degree Portuguese section.

Found what you're looking for?

  • Start learning 29% faster today
  • 150,000+ documents available
  • Just £6.99 a month

Not the one? Search for your essay title...
  • Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month

See related essaysSee related essays

Related University Degree Portuguese essays

  1. A seguir apresentado um procedimento experimental para obteno da benzocana - molcula pertencente ...

    de 250 mL, adicione 32 mL de etanol 95% e agite suavemente at� que a maioria do �cido se dissolva (nem todo s�lido se dissolver�). Esfrie a mistura em um banho de gelo e lentamente adicione 2,5 mL de H2SO4 concentrado.

  2. The representation of the serto and popular religiosity in the movies Black God, White ...

    The depiction of Josu�'s family in the film is clearly allegorical: the film offers hope for the Brazilian people and their culture in a society that is post-dictatorship, post-Collor and post-collapse of the film industry. The father symbolizes many things: the old way of life in the North East, the

  1. A Importncia do Mercado de Aes Para o Desenvolvimento Econmico Sustentvel Brasileiro

    Atualmente, o desenvolvimento econ�mico liderado por interven�es estatais mostra-se incompat�vel com a estabilidade econ�mica e com os compromissos internacionais assumidos pelo Pa�s.3 Por isso, o financiamento do desenvolvimento econ�mico brasileiro deve ser liderado por investimentos privados, cabendo ao sistema financeiro privado, ou seja, intermedi�rios financeiros e ao mercado de capitais

  2. O MERCADO DE CAPITAIS DO BRASIL NO PERODO DE 1994 A 2003: SUA IMPORTNCIA ...

    domestica e o pa�s passou a depender, ainda mais, da poupan�a externa para financiar seus investimentos. Essa depend�ncia, conhecida como vulnerabilidade externa, fez com que o mercado de capitais brasileiro sofresse o impacto das crises do M�xico (1995), �sia (1997)

  1. comunicare politica

    (situatia din Rom�nia anului 1990, mai ales prima parte, este elocventa- mineriadele, mitingurile, politica strazii �n general). Institutiile politice detinatoare ale puterii politice "sunt centrate pe reglarea �ntregului sistem social, deci coordonarea celorlalte tipuri de institutii si a activitatii oamenilor"- scrie Lucian Culda, arat�nd, totodata ca sensul diversificarii institutiilor sociale este dat de complicarea unor mecanisme de semnificare psihica.

  2. o papel das RP na camara de sintra

    S�o um p�blico importante ao qual a C�mara Municipal de Sintra d� bastante import�ncia e desenvolve in�meras iniciativas com este p�blico. Por esta raz�o achamos interessante tratar esta ac��o no qual o papel da Rela�es p�blicas teve um importante papel para a sua divulga��o e tratamento.

  1. A Torri uma marca do grupo J.M.V., operando este grupo em duas reas ...

    No per�odo entre 1930 e 1965, chegaram "apenas" 5,5 milh�es, por conta de uma s�rie de leis que restringiram o fluxo. Por fim, de 1965 at� os dias actuais, entraram em territ�rio americano cerca de 25 milh�es de novos imigrantes.

  2. GESTO PRODUTO

    As d�cadas de 60 e 70 caracterizaram-se pela eclos�o da civiliza��o do produto e pelo aparecimento do livre servi�o que s� mais tarde se fez sentir em Portugal. A ind�stria, atrav�s das suas inova�es e da aposta na comunica��o e no marketing, criou uma imagem forte de produto que procurou

  • Over 160,000 pieces
    of student written work
  • Annotated by
    experienced teachers
  • Ideas and feedback to
    improve your own work