• Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month

Compreender os mecanismos que regulam, quando, onde e como as flores so formadas requer compreender os eventos que ocorrem. Mutantes hoemoticos ,

Extracts from this document...

Introduction

Desenvolvimento floral e modelo abc Diana Mendon�a,n�2101932 Compreender os mecanismos que regulam, quando, onde e como as flores s�o formadas requer compreender os eventos que ocorrem. Mutantes hoemoticos ,cujas �rg�os adoptem identidades impr�prias na sua posi��o na flores, ajudaram na constru��o de um model simples combinat�rio de modo a explicar como os �rg�o de identidade s�o definidos. Recentemente estudos gen�ticos e moleculares identificaram um grupo de genes que controlam a morfog�nese floral na Arabidopsis ,snapdragon (Antirrhinum) e de outras esp�cies. Neste trabalho ser� focado o desenvolvimento floral na Arabidopsis que tem sido estudado extensivamente. Os meristemas florais distinguem-se dos meristemas vegetais ainda nos primeiros estados do desenvolvimento floral atrav�s do seu maior tamanho. A transi��o do desenvolvimento vegetativo para o desenvolvimento reprodutivo � marcado por um aumento da frequ�ncia da divis�o das c�lulas na zona central do meristema apical prim�rio . No meristema vegetativo as c�lulas da zona central completam os seus ciclos de divis�o lentamente .Quando o desenvolvimento reprodutivo verifica-se um aumento no tamanho do meristema devido ao aumento da velocidade de divis�o das c�lulas centrais. . Na Arabidopsis, a seguir � germina��o da semente o meristema apical prim�rio gera diferentes �rg�os em diferentes est�dios de desenvolvimento. Na sua fase vegetativa de desenvolvimento produz phytomeros (folha com pequenos internodos que resulta numa roseta basal.) ...read more.

Middle

Estes genes foram identificados atrav�s de muta�es homeoticas que alteravam a identidade dos �rg�os florais de tal maneira que os �rg�os florais aparecem em locais errados. Por exemplo na planta Arabidopsis uma muta��o no gene Apetala 2 produz flores com carpelos onde as sepalas deveriam estar e estames onde as petalas normalmente aparecem. Mecanismos gen�ticos que controlam o desenvolvimento floral MADS BOX (genes com dom�nio MADS) Os genes home�ticos que foram clonados at� agora codificam factores transcricionais ( prote�nas que controlam a express�o de outros genes) A maioria dos genes home�ticos pertencem a uma classe com sequ�ncias relacionadas conhecidas como MADS box genes. Arabidopsis com muta�� Muitos dos genes que determinam a identidade dos �rg�os florais s�o MADS box genes, incluindo o gene DEFICIENS do snapdragon e AGAMOUS, PISTILLATA1 e APETALA3 genes da Arabidopsis. Na Arabidopsis estes podem exceder os 100, sendo comum esta duplica��o extensiva de genes reguladores em plantas. Estas MADS box genes t�m uma sequ�ncia nucleotidica caracter�stica conhecida como MADS box, que codifica a estrutura de uma prote�na conhecida como MADS domain. Esta activa factores transcricionais (factores MADS box) que a ligam ao DNA. (figura 5) Os restantes nucleotideos s�o �nicos e codificam para outras fun�es do gene. ...read more.

Conclusion

Quando ocorrem muta�es em ap3 e pi � produ��o de s�palas em vez de p�talas no 2� whorl e carpelos em vez de estames no 3� whorl.(figura 10) A actividade do tipo C, codificado pelo gene AG controla os eventos no 3� e 4� whorls. A perda desta actividade resulta na forma��o de p�talas em vez de estames no 3� whorl ,no 4� whorl aparessem s�palas em vez de carpelos , parecendo surgir assim uma nova flor. (figura11) Os mutantes quadr�pedes produzem meristemas florais que originam estruturas verdes parecidas com folhas. Este facto fez com que a teoria de Goethe(1749-1832) que considera que os �rg�os florais s�o folhas modificadas tivesse suporte cient�fico. Conclui-se que a maneira como se formam os �rg�os no tipo selvagem e a maioria dos fen�tipos mutantes s�o previstos e explicados por este modelo. O desafio agora � compreender, como a express�o destes genes � controlada pelos genes cadastrais; quais os factores de transcri��o que alteram a express�o destes genes no desenvolvimento dos �rg�os e finalmente como a altera��o na express�o dos genes resulta no desenvolvimento de um �rg�o floral especifico. 1.krizek ,Beth ;Fletcher, Jennifer Molecular mechanisms of flower development:An armchair guide Nature Publishing group (2005) 2.Usha Vijayraghavan; How plants pattern flowers:Lessons from molecular genetic studies o flowering in Arabidopsis thaliana a model plant 3.Gutierrez-cortines and Bredan Davies; Beyond the ABCs :ternary complex formation in the control of floral organ identity ...read more.

The above preview is unformatted text

This student written piece of work is one of many that can be found in our University Degree Portuguese section.

Found what you're looking for?

  • Start learning 29% faster today
  • 150,000+ documents available
  • Just £6.99 a month

Not the one? Search for your essay title...
  • Join over 1.2 million students every month
  • Accelerate your learning by 29%
  • Unlimited access from just £6.99 per month

See related essaysSee related essays

Related University Degree Portuguese essays

  1. The representation of the serto and popular religiosity in the movies Black God, White ...

    It recounts Dora and Josu�'s trip from the city of Rio to the north-eastern sert�o in search of lost relationships and remains of solidarity. Many elements show an attempt to approach the Cinema Novo style: the trance of Dora in the procession, with the camera spinning around her; the 'tourism'

  2. A Importncia do Mercado de Aes Para o Desenvolvimento Econmico Sustentvel Brasileiro

    A retomada de nosso crescimento s� se tornar� poss�vel com a efetiva democratiza��o do capital. Um mercado de capitais forte gerar� mais investimentos e, conseq�entemente, mais empregos, maior produ��o, maior riqueza, resultando no crescimento do Pa�s. Norma Parente 3.1. MERCADO DE CAPITAIS: POUPAN�A, INVESTIMENTO E DESENVOLVIMENTO A sociedade an�nima �

  1. O MERCADO DE CAPITAIS DO BRASIL NO PERODO DE 1994 A 2003: SUA IMPORTNCIA ...

    redu��o do risco de liquidez e ajuda a fomentar projetos de longo prazo, embora existam correntes te�ricas que defendam o contr�rio. Levine (1997 apud AFONSO, 2001), demonstra a import�ncia do mercado de capitais no financiamento dos investimentos durante a revolu��o industrial.

  2. o papel das RP na camara de sintra

    As cartas s�o bastante usadas pelas Rela�es P�blicas da C�mara Municipal de Sintra. Estas cartas s�o de divulga��o do projecto, destinadas aos idosos em idade de Reforma, para proporcionar a este p�blico uma integra��o no seio da comunidade. Internet: A Internet � o pilar da comunica��o externa da C�mara Municipal

  1. A Torri uma marca do grupo J.M.V., operando este grupo em duas reas ...

    A imigra��o tem sido a chave dessa evolu��o demogr�fica. Ela contribuiu para o r�pido crescimento das popula�es asi�ticas e hisp�nicas desde a d�cada de 1960. Em 1997, 38 por cento da popula��o hisp�nica e 61 por cento da popula��o asi�tica eram nascidos no exterior, comparados com oito por cento da popula��o branca, seis por cento da popula��o negra e seis por cento da popula��o ind�gena.

  2. Romeu e Julieta

    profundas trag�dias; e na quarta marcada pelas tragicom�dias rom�nticas, como a Tempestade. An�lise do aspecto gr�fico exterior e interior do livro A �nica imagem presente na capa desta obra � um punhal, punhal esse que foi usado por Julieta quando quis p�r fim � sua vida, pois para ela n�o havia mais raz�es para continuar a viver, Romeu tinha morrido.

  1. Cambios estructurales en la empresa ...

    Adem�s, para aumentar la efectividad del grupo se provey� un ambiente de trabajo limpio, seguro, con las herramientas y la tecnolog�a pertinente al �rea. El estilo de liderazgo ha evolucionado seg�n el conocimiento y confianza del grupo. Seg�n la teor�a de contingencia de paso-meta, el equipo de corrugaci�n ha tenido un liderazgo cambiante.

  2. O Poder segundo Foucault

    de controlo e que pode ser transversal a todas as institui�es, ligando-as e fazendo-as funcionar de novas formas. Para Foucault, a institui��o da pris�o corrige rela�es m�ltiplas de poder disciplinar e o mesmo pode ser dito de outras institui�es como de educa��o, militares, religiosas ou econ�micas.

  • Over 160,000 pieces
    of student written work
  • Annotated by
    experienced teachers
  • Ideas and feedback to
    improve your own work